Off-Topic/Tradução: Como eu desisti de USD 300k da Microsoft para trabalhar full-time no Github

2008 October 21, 13:19 h - tags: github obsolete

Tom Preston-Werner (aka mojombo), um dos criadores do Github – junto com Chris Wanstrath, que esteve no Brasil na Rails Summit – conta como ele desistiu de um emprego seguro onde ganharia muito dinheiro para se arriscar num empreendimento como o Github. Aliás, o Github acabou de fazer seu primeiro aniversário. 1 ano e 1 mês atrás eu começava minha evangelização de Git também.

Vamos à tradução:

Como eu desisti de USD 300k da Microsoft para trabalhar full-time no Github

2008 é um ano de transição. Isso significa que 365 dias atrás, quase exatamente, eu estava sentado sozinho no Sports Bar e Grill do Zeke na 3rd Street em São Francisco. Eu normalmente não ando em sports bar, menos ainda um em SOMA, mas lá naquela quinta-feira foi noite de ‘Eu Posso Ter Ruby’. Acho que naquela época ‘Eu Posso Ter ________’ também era um jeito de anexar praticamente qualquer coisa. EPTR era uma reunião semi-privada de hackers Ruby que pensavam parecido que se devotavam em noites de sessões de bebida. Normalmente, essas noites se apagavam como minha ressaca na manhã seguinte, mas essa noite fora diferente. Essa foi a noite que o Github nasceu.

Acho que eu estava sentado sozinho porque tinha acabado de pedir um Fat Tire fresco e precisava de uma pequena pausa da socialização que estava acontecendo nas longas mesas na porção menos iluminada do bar. No quinto ou sexto gole, o Chris Wanstrath apareceu. Tenho problemas de lembrar agora se classificava Chris e eu como ‘amigos’ na época. Nos conhecíamos de outras reuniões e conferências de Ruby, mas apenas casualmente. Algo do tipo ‘ei, acho que seu código é incrível’. Não tenho certeza o que me fez fazer isso, mas eu gesticulei para ele e disse ‘cara, dá uma olhada nisso.’ Cerca de uma semana antes comecei a trabalhar num projeto chamado Grit que me permitia acessar repositórios Git de maneira orientada a objetos via código Ruby. Chris era um dos poucos programadores Ruby na época que estava começando a ficar sério com Git. Ele se sentou e eu comecei a mostrar o que eu tinha. Não era muito, mas foi o suficiente para ver que faiscou alguma coisa no Chris. Sentindo isso, eu lancei minha idéia meia-boca por um tipo de website que agiria como hub para codificadores compartilharem seus repositórios Git. Eu até mesmo tinha um nome: Github. Eu devo estar parafraseando, mas sua resposta foi na linha de um muito empático “Estou dentro. Vamos fazer!”

Na noite seguinte, sexta-feira, 19 de outubro de 2007, às 22:24h Chris fez o primeiro commit ao repositório Github e selou em pedra digital o começo de nossa jornada. Existia, até então, nenhum acordo de nenhum tipo sobre como as coisas prosseguiriam. Apenas dois caras que decidiram hackear juntos em alguma coisa que soava legal.

Lembram-se daqueles incríveis poucos minutos em Karate Kid onde o Daniel está treinando para se tornar um expert em artes marciais? Lembram-se da música? Bem, você deveria comprar e escutar You’re The Best, por Joe Esposito no iTunes porque estou para atingí-los com uma montagem.

Pelos próximos três meses Chris e eu gastamos uma quantidade ridícula de horas planejando e codificando GitHub. Eu continuava com o Grit e fazia o design das telas. Chris construía a aplicação Rails. Nos encontrávamos pessoalmente todo sábado para tomar decisões de design e tentar descobrir como diabos nossos planos de preço seriam. Lembro de um dia chuvoso quando falamos por umas boas duas horas sobre várias estratégias de preço enquanto comíamos um dos melhores enrolados de ovo viatnamitas da cidade. Fizemos tudo isso enquanto mantínhamos nossos outros compromissos. Eu, por exemplo, estava empregado em tempo integral na Powerset como desenvolvedor de ferramentas para a equipe Ranking e Relevance.

No meio de janeiro, depois de três meses de noites e fins de semana, lançamos nosso beta privado, enviando convites a nossos amigos. No meio de fevereiro P.J. Hyett se juntou a nós. Publicamente lançamos o site em 10 de abril. Techcrunch não foi convidada. Nesse ponto ainda éramos apenas 3 cara de 20-alguma-coisa sem um único centavo de investimento externo.

Eu ainda estava trabalhando tempo integral para a Powerset em 1 de julho de 2008, quando soube que a Powerset tinha acabado de ser adquirida pela Microsoft por cerca de USD 100 milhões. Foi um timing interessante. Com a aquisição, eu teria que encarar uma decisão mais cedo do que imaginava. Eu poderia ou ser empregado pela Microsoft ou me demitir e ir para o Github tempo integral. Aos 29 anos de idade, eu era o mais velho dos 3 Githubbers e tinha acumulado uma porção proporcionalmente maior de dívidas e gastos mensais. Eu estava acostumado ao meu estilo de vida de seis-dígitos. Para confundir ainda mais a situação estava o retorno iminente de minha esposa, Theresa, de seu campo de trabalho de PhD na Costa Rica. Eu logo transicionaria de um quase-solteiro de volta à homem-casado.

Para turvar as águas da decisão mais ainda, o emprego na Microsoft era atraente. Salário + USD 300 mil em 3 anos. É dinheiro suficiente para fazer qualquer um pensar duas vezes sobre qualquer coisa. Então tive que encarar: um trabalho seguro com muito dinheiro garantido como um homem da Microsoft – ou – um trabalho arriscado com quantidades desconhecidas de dinheiro como empreendedor. Eu sabia que as coisas com os caras do Github se tornariam extremamente forçadas se eu ficasse na Powerset por muito tempo. Tendo poupado algum dinheiro e se tornado freelancers há algum tempo, ambos estavam dedicados com esforços de tempo integral no Github. Era uma época de ou vai ou racha. Ou escolher o Github e arriscar, ou fazer a escolha segura e largar o Github para fazer barris de dinheiro na Microsoft.

Se quiser uma receita para não conseguir dormir, posso lhe dar uma. Adicione uma parte de “o que minha mulher vai pensar” com 3 mil partes de Benjamin Franklin, mais uma colher de “cerveja quando quiser por favor” e cubra com uma chance de independência financeira.

Eu tinha me tornado bom em dar más notícias a meus empregadores que eu estava largando a empresa para fazer alguma outra coisa mais legal. Eu dei a notícia ao meu chefe na Powerset no dia que a oferta de emprego expiraria. Eu lhe disse que estava saindo para trabalhar tempo integral no Github. Como qualquer grande chefe, ele estava desapontado, mas compreensivo. Ele não tentou me atiçar com um bônus maior ou coisa assim. Eu acho que no fundo ele sabia que eu estava para sair. Eu poderia até mesmo receber um incentivo maior para ficar do que os outros, por causa de ser algo de risco. Esses gerentes da Microsoft são tinhosos, eu lhes digo. Eles têm bônus de retenção como ciência. Bem, exceto quando você joga um empreendedor, a singularidade do mundo dos negócios, na mistura. Tudo fica atrapalhado quando você tem um desses.

No fim, como Indiana Jones nunca poderia desistir da oportunidade de procurar pelo Santo Graal, eu não poderia deixar a chance de trabalhar para mim mesmo em alguma coisa que eu realmente amava, não importa quão mais seguro fosse a alternativa. Quando estiver velho e morrendo, planejo olhar para trás na minha vida e dizer ‘wow, isso foi uma aventura’ e não ‘wow, eu me senti seguro.’

Comments

comentários deste blog disponibilizados por Disqus