[Akitando] #75 - O que vem DEPOIS do COVID-19?

2020 March 24, 20:00 h

DESCRIPTION

Erratas: - a letra da Apple na Bolsa é AAPL e não APPL como eu coloquei no video - me corrigiram que eu acho que falei errado uma hora. Esclarecendo, COVID-19 é a doença e o vírus é o Novo Corona Virus (é uma família de virus), acho que uma hora eu falo que o vírus é o COVID. - numa das telas de conta eu fiz um typo, o certo é (60.000 * 25% = 15.000) e não 5.000. - quando eu defino securitização eu não falei totalmente certo, melhor esclarecer: "O Akita é risco C de crédito e pega uma dívida de 12 meses, com parcelas de 1000 reais. A chance do Akita pagar as 6 primeiras parcelas é muito maior do que as 6 últimas. Dois investidores emprestaram a mesma quantia pro Akita, que gera a dívida dele de 1k por mês. Se ambos receberem metade o que o Akita pagar por 12 meses, estão assumindo um risco C de inadimplência ao longo do período. Agora, se um receber os primeiros 6 meses 100% do fluxo pago pelo akita, e um receber os últimos 6 messes 100% do fluxo pago pelo akita, o primeiro ta assumindo um risco A e o segundo um D-. Se vc priorizar o fluxo de caixa, consegue securitizar essa dívida em duas classes de ativos com riscos diferentes, esse é o ato de securitizar " - eu exagero na hora de falar que a depois de ser contaminado você passa a contaminar os outros "imediatamente", na realidade leva uns 3 a 4 dias incubando o virus pra você começar a espalhar. Que continua sendo um tempo curto, e você pode estar assintomático, por isso tomar cuidado.

Estamos agora (em 25/mar/2020) no meio da crise desencadeada pelo vírus COVID-19. Todo mundo está apreensivo querendo saber até onde isso vai. E por causa disso todo mundo está vivendo basicamente só um dia de cada vez.

Porém, as economias do mundo já estavam caminhando pra uma inevitável recessão e o COVID-19 não só adiantou, como fez a queda ser mais violenta e os efeitos são multiplicados. Estamos possivelmente pertos da maior crise econômica já reportada na história. Ainda não temos como saber porque a história ainda não acabou.

Mas nunca é prudente ser otimista demais. Digamos que não aconteça o fim do mundo, qual é o cenário negativo que devemos ter em mente? Quando isso vai acontecer? Como devemos nos preparar? É o que eu vou tentar explicar neste episódio.

Links:

Assine estes canais também:

SCRIPT

Olá pessoal, Fabio Akita

Assim como no clássico programa de rádio O Dia que a Terra Parou e todo show de catástrofe apocalíptico, parece que estamos à beira do fim do mundo. Como em qualquer evento assim, existem os desesperados que realmente acham que o mundo vai acabar e do outro lado existem os que acham que nem existe problema e todo mundo tá desesperado à toa. E como sempre, a verdade se encontra no meio desses extremos. Mas não se enganem, estamos vendo em tempo real uma catástrofe econômica de proporções bíblicas acontecendo e que seus filhos vão estudar nos livros de história em breve.

Eu não sou médico nem nada disso por isso não vou perder tempo repetindo o que todo mundo já explicou em detalhes sobre o covid-19. Mas como não dá pra escapar de comentar, eu vou dar meus 2 cents sobre o que ando pensando sobre isso. Como sempre, é minha opinião pessoal e não recomendação médica ou econômica, então fica o disclaimer. E outro disclaimer é que este vídeo vai ser bem complexo pra quem nunca estudou nada de economia. Eu mesmo não sou economista, mas preparem-se pra ter que pausar e repetir alguns trechos. Vocês sabem que eu sempre mostro no vídeo algumas palavras-chave que são jargões e que eu acho importante que vocês estudem depois se não souberem. Não me venham comentando nervosos “ah akita, mas na minha opinião, mas na opinião do olavo, mas na opinião do atila, mas na opinião de Jesus” foda-se. Eu vou explicar uma linha de raciocínio minha, isso não é um concurso de popularidade.

Primeiro de tudo, isso já deveria ser senso comum mas duvide de absolutamente tudo que vem via grupo de whatsapp. Pra cada 1 informação útil deve vir umas 10 completamente inúteis. Qualquer coisa de teoria da conspiração é lixo, é divertido de especular mas não é pra levar a sério. Qualquer coisa sobre cura iminente é lixo. Qualquer politicagem é lixo. Qualquer dica pra sair de casa ou receita caseira é lixo. Tem gente que tem medo da Deep Web? Eu tenho medo é dos grupos de Whatsapp que é a verdadeira Deep Web. Vamos pensar com lógica por 2 segundos que isso tudo não é difícil assim de entender.

A essa altura já existem milhares de vídeos e acho que todo mundo já sabe o que precisa fazer. Vamos resumir. Num cenário normal, sem milagres ou novos desastres, estamos falando em ter uma vacina pra esse novo corona entre 1 ou 2 anos. Vacinas normais podem levar até 10 anos pra atingir o mercado. Então 1 ou 2 anos seria bem rápido. Ferrou então? Vamos ter que ficar em quarentena até o ano que vem? Também não é necessariamente isso. O maior problema desse virus é que é muito fácil se contaminar, logo que você se contamina imediatamente passa a contaminar os outros mesmo sem apresentar sintomas. E por essa facilidade, a expansão dos casos é quase exponencial. Pra quem é cientista de dados, estatístico ou simplesmente sabe fazer contas simples, termos como curvas exponenciais, curvas logísticas, regressão linear etc não deveria ser tão complicado.

Pro resto de vocês, assistam este vídeo da 3Blue1Brown explicando em termos muito simples o que isso significa. Sério, pausem este vídeo e vão assistir. Pensar em termos exponenciais é tão básico quanto saber fazer regra de três e você precisa saber pensar assim. Em resumo, a razão que precisamos ficar todos em casa é o seguinte.

Digamos que o Brasil no momento da publicação deste vídeo tem uns 1500 casos confirmados, provavelmente mais já. E digamos que sem tomar muitos cuidados estamos crescendo a uma taxa de 15% ao dia mais ou menos. E digamos que vamos continuar sem fazer nada. Quantos casos vamos ter depois de meros 2 meses? Vamos abrir a HP-12c e usar tudo que eu sei sobre ela (que não é muita coisa, desculpem). Vamos plugar 1500 como valor presente ou PV, então adicionar 15 como sendo a taxa ou interest rate que é I, finalmente plugamos 60 dias como N e agora clicando em FV que é o valor futuro temos ... quase 6,6 milhões de casos confirmados daqui só dois meses. Esse é o poder dos juros compostos.

Agora, digamos que uma boa parte da população faça a coisa mais óbvia, que é diminuir a taxa de expansão ficando em casa e mantendo a distância social a qualquer custo. Sejamos otimistas e digamos que isso faça a taxa de expansão diminuir dos 15% pra 5%. Esses 5% são os babacas querendo ir de propósito pra praias, festas e coisas assim. Vamos plugar os mesmos 1500 casos confirmados em PV de novo, mas desta vez colocamos 5% como taxa, os mesmos 60 dias como N e o valor futuro FV será de ... 28 mil casos. Ainda assim é bastante gente, mas concordam que é ordens de grandeza melhor que 6,6 milhões.

Digamos que nem fomos tão disciplinados assim, afinal o que não falta por aí é babaca, e a taxa de 15% caiu só pra 10%. Vamos plugar os mesmos números e depois de 60 dias teríamos 456 mil casos que ainda assim é MUITO menos que 6,6 milhões. Esse é um casos onde toda contribuição individual de ficar em casa faz muita diferença porque é uma taxa de crescimento exponencial. Cada 1 porcento que se diminui nessa taxa são dezenas de milhares de casos a menos. E como baixamos essa porcentagem? Ficando em casa. Você quer ajudar? Não aumenta essa porcentagem. Fica em casa.

A outra forma de diminuir essa curva é diminuir o número de casos já confirmados. E pra isso, sem a cura, precisa de algum tratamento. Felizmente existem vários em teste em vários países. E já tem gente se curando, só que leva muitos dias ou semanas pra isso acontecer. Por isso não correlacione ver uma notícia de gente sendo curada com você se animando de querer já sair pra rua. Você só vai estragar tudo e desperdiçar esse avanço. Não quer ajudar? Pelo menos não atrapalha.

Pra alguns de nós, vai ser só um período de inconveniente que precisamos passar. Mas pra muitos é possível que a gente esteja só vendo o começo de uma grande crise que nem começou direito ainda. Obviamente vou torcer que não, mas vamos entender o que isso significa. O que podemos esperar pela frente? Como interpretar o que está acontecendo e o que devemos fazer agora? Chegou a hora de eu tentar explicar algumas coisas que eu vim dizendo em vários dos meus videos anteriores.

(...)

Se você acompanhou o que aconteceu no mercado financeiro brasileiro, tivemos nada menos que 6 circuit breakers em poucos dias, 6! Em menos de 2 semanas. Pra colocar em perspectiva nós tivemos 6 circuit breakers durante toda a crise financeira de 2008 cujos reflexos chegaram atrasados no Brasil e tivemos nossa crise de gastos excessivos só em 2015. Mas enfim, o mercado brasileiro desvalorizou até agora pelo menos 42% e sumiu da economia mais de um trilhão de reais de valor. Sem contar na subida vertical do dólar que saltou de 4.2 pro pico de 5.2.

No resto do mundo não é diferente. Se você olhar qualquer índice de qualquer país, tudo caiu nessa proporção. Não é um problema só do Brasil, é global. Todos os bons economistas já estavam demonstrando os sintomas da exuberância irracional e clima de oba-oba ao redor do mundo. Alguma correção ia precisar acontecer em breve, este ano, ano que vem. Obviamente ninguém tem bola de cristal e jamais poderíamos imaginar que o estopim pra derrubar esse House of Cards ou casa de cartas mundial frágil seria uma pandemia. Como num efeito dominó, todos os mercados começaram a cair drasticamente e isso causou um pânico de todos os investidores em busca de ativos mais seguros. Em períodos de pânico como esse o que todo mundo procura é dólares ou coisas equivalentes ao dólar como papéis de curto prazo do tesouro americano.

A razão disso é fazer caixa. Ninguém sabe quanto tempo essa crise do covid-19 vai durar. Pode ser 2 semanas. Pode ser um mês. Talvez dure meses! No Brasil, pra piorar, nunca tivemos tantos investidores novatos. Pela primeira vez atingimos a marca de 1 milhão de investidores em abril de 2019, ainda não fez um ano. E de lá pra cá esse número dobrou. Todo mundo quis aproveitar esse período anterior de alta desproporcional. Se você não sabe o que isso quer dizer, veja este gráfico do S&P 500 que listas algumas das principais empresas americanas. Olha como era até 2009. Agora olha como acelerou depois de 2009. E agora veja o que aconteceu em 2020. Agora, veja a IBOVESPA aqui no Brasil. Nós tivemos o que foi estupidamente chamado de Marolinha, houve toda a gastança desenfreada que vocês já sabem que nos derrubou em 2015 e desde 2016 também entramos numa curva acelerada, até chegar 2020. Olhem só essa queda! Nós retrocedemos até níveis de 2017.

Pelo menos até agora eu ainda não estou sentindo nenhum desespero, pessoalmente. E isso porque eu estou exposto em diversos tipos de ativos, incluindo ações, ouro, bitcoins, tanto aqui no Brasil quanto nos Estados Unidos. Eu vinha falando a tempos que estávamos pertos de uma correção e eu achava que ia enxergar os sintomas a tempo de realizar meu lucro e sair fora. Mas lógico que eu nunca eu ia prever uma pandemia do dia pra noite. Esse evento foi a definição de um Cisne Negro. Eu repito esse termo faz tempo mas se até hoje você ainda não leu Nassim Taleb, agora é meio tarde demais. Enfim, durante essa queda abrupta minha carteira desvalorizou acho que algo por volta de meio milhão de reais na minha pessoa física. Não se preocupem, não vai me fazer falta por enquanto. E isso pra dizer que eu tenho sim interesse numa recuperação rápida e mesmo assim eu preciso dizer o que eu realmente acho que vai acontecer.

Pelo menos eu não tava muito alavancado. Quem tava alavancado excessivamente provavelmente começou ou vai começar a sofrer chamadas de margem e vai perder muito dinheiro. Isso é uma tangente de conceito interessante aliás, deixa eu explicar porque eu vou usar isso depois no video. Eu não sou um investidor sofisticado, então eu vou explicar de forma muito simples. Quando os mercados estão constantemente subindo, como nós vimos nos últimos anos desde pelo menos 2012 nos Estados Unidos, que foi um dos maiores períodos de crescimento. Muita gente vê isso e se alavanca. Vamos dar um exemplo que vou pegar emprestado da página da Investopedia.

Faz de conta que um investidor compra 100 mil dólares de ações da Apple. Pra isso ele usa 50 mil dele mesmo e pega emprestado os 50 mil restantes da corretora. Digamos que a corretora tem uma margem de manutenção de 25%. No momento da compra, o patrimônio do investidor como porcentagem é de 50%.

Isso tá acima da margem de manutenção de 25%. Então, por enquanto, tudo bem. Mas suponha que, duas semanas depois, deu a porra do covid-19 e o valor dos títulos comprados caia de 100 pra 60.000, ou seja, perdeu 40% do valor como aconteceu agora. Isso resulta no patrimônio do investidor caindo para dos 50 mil iniciais pra 10.000 (que é o valor de mercado de 60.000 menos os fundos que ele pegou emprestados da corretora de 50.000), ou seja 16,67% que é (60.000 - 50.000) / (60.000)

Agora ficou abaixo da margem de manutenção de 25%. O corretor precisa fazer uma chamada de margem, exigindo que o investidor deposite pelo menos 5.000 para atender à margem de manutenção. Portanto, o investidor precisa de pelo menos 15.000 em patrimônio (o valor de mercado de títulos de 60.000 vezes a margem de manutenção de 25%) em sua conta para se qualificar pra margem. Mas ele só tinha 10.000 em patrimônio líquido, resultando em uma deficiência de 5.000 que é (60.000 x 25%) - 10.000.

Ou seja, você partiu de uma posição inicial de 50 mil dólares, com a queda ficou só com 10 mil e agora ainda deve mais 5 mil ou você pode ter sua posição liquidada. Isso tem acontecido desde o fim do carnaval, nas duas semanas seguintes de queda abrupta e seis circuit breakers levando a perdas de 42% no valor das ações.

E porque tanta gente tava apostando em ações? Pelo menos duas razões. Primeiro porque as opções que muitos consideravam mais seguras como fundos de renda fixa ou comprar diretamente papéis do tesouro estavam pagando pouco, por causa dos juros baixos. Isso nos Estados Unidos. Quero dizer a taxa básica de juros que é controlado pelos bancos centrais, no caso a nossa taxa selic, que é definido pelo Copom que é o Comitê de Política Monetária.

Quando as taxas básicas ficam muito baixas, o rendimento de papéis do tesouro, no caso o americano, por exemplo, rendem muito pouco. Faz de conta que você é um gestor de fundos, como os fundos de pensão norte-americanos. Como gestor você precisa tentar garantir um certo rendimento ou não vai dar pras pessoas se aposentarem. O que você faz? Você se encontra num período inédito de crescimento constante no mercado de ações. E você entra no jogo e coloca dinheiro nos mercados, que era o que o governo queria, estimular mais os mercados.

Como você acha que tanta startup apareceu na última década? Pior, assim como aconteceu em décadas anteriores, com tudo sempre subindo, fica aquele clima de oba-oba, que nunca vai cair, que crises são coisa do passado, e quanto mais tempo passa sem cair, mais você arrisca. Você vai graduando de só comprar ações e passa a comprar alavancado. E vai ficando pior. Pense o caso de uma Netflix que é icônico, ele não dá lucro. O modelo de negócios dele é emitir debêntures ou bonds como se chama nos Estados Unidos.

Bonds são títulos de dívida que são securitizados, ou seja, vendidos no mercado como uma classe de ativos, como uma ação. Securitizar como o nome diz é dar segurança. Como eu sei que essa dívida vai ser paga? A securitização é como um seguro e a garantia é o desconto no valor a ser recebido. O Netflix precisa de dinheiro pra produzir dezenas de shows como o seu Sex Education da vida. Mas só a sua mensalidade não dá pra pra pagar por isso.

Então o Netflix emite títulos e securitiza sua dívida, que são esses junk bonds - junk de lixo mesmo - e muita gente compra achando que é um bom investimento e se torna credor do Netflix. É como ir no mercado e pedir empréstimo e quem compra os junk bonds acha que tá virando credor de uma empresa que vai pagar eles de volta sem falta. Só em outubro de 2019 eles emitiram e venderam 2.2 bilhões de dólares de junk bonds. Se não me engano eles já acumulam pelo menos 13 bilhões de dólares de dívida. E ano que vem eles precisam começar a pagar um pouco de volta, 500 milhões em 2021, mais 700 milhões em 2022. Vocês acham que por causa da quarentena que tem muito mais gente assistindo então eles vão faturar mais? Pense de novo, suas mensalidades não cobrem as dívidas e por isso esses bonds são chamados de junk bonds e por isso eles precisam pagar um pouco mais caro pelo empréstimo pra atrair mais credores.

Agora vem a parte interessante. Com os mercados em queda livre como tá agora, quem vai querer comprar mais junk bonds? Só que sem conseguir vender mais bonds, a operação de produção deles vai parar uma hora. E com competidores grandes como HBO, Amazon Prime, e agora o mamute que é a Disney+, eles já estavam perdidos. Isso porque apesar das dezenas de shows de sucesso como The Witcher, Stranger Things, The Crown e outros, isso ainda é só 10% do catálogo deles. Os outros 90% são filmes e séries licenciados de outros estúdios e à medida que os estúdios vão abrindo novos canais de streaming como a Disney+ eles começam a perder esse catálogo, como aconteceu com todo o conteúdo da Disney, que inclui Marvel, Pixar, LucasFilms e Fox. Eles estão num jogo onde só dá pra queimar muito dinheiro.

E alguém poderia dizer que basta vender, talvez pra Disney. Mas eu não acho que isso vai ser tão simples assim. Pra ter uma idéia, a Disney pagou 7 bilhões pra adquirir a Pixar, 4 bilhões pra adquirir a LucasFilm, 4 bilhões pra adquirir a Marvel. Ou seja, não é um bom negócio pra Disney pagar pra assumir 13 bilhões de dívida da Netflix, mais fácil deixar ela morrer, comprar a licença dos shows exclusivos da Netflix a preço de banana depois e ter um competidor a menos no mercado.

E porque eu estou comentando esse possível cenário sombrio da Netflix? Porque estamos no meio de uma crise de liquidez. Está faltando dólares no mercado. No mundo todo. Por que o dólar no Brasil tá tão caro? Volta Dilma que tá tudo certo? Não né, idiota, pensa. A explicação é complicada mas pra simplificar bastante, pense em lei de oferta e procura, essa é a única lei universal que você precisa entender de uma vez por todas. Dinheiro não vale o que você acha que vale. O valor do dinheiro é determinado pelas leis de mercado, que é basicamente como a gravidade, é fundamental. Se você tiver 1 milhão de reais, mas eu te largar sozinho numa ilha deserta, quanto vale seu dinheiro? Literalmente zero. Ela não serve nem pra limpar sua bunda.

Valor não é o que você “acha” que alguma coisa vale, é quanto alguém tá disposto a pagar. Vamos entender em termos simples, pra começar, tamos numa crise. Todo mundo tá endividado direta ou indiretamente em dólares. Como países nós importamos e exportamos e a moeda base é o dólar americano. Pra sobreviver e pagar suas dívidas, você precisa de dinheiro, cash. Aquela barra de ouro ou prata que você tem guardado, seus bitcoins, suas ações, sua casa, não vai pagar suas dívidas desse mês se você tá prevendo que seu faturamento vai diminuir ou até mesmo parar, como é o caso de muitos negócios mundo afora que já pararam completamente ou quase. Companhias aéreas, empresas de eventos, restaurantes, lojas, hotéis, o seu cabeleireiro, o seu dentista, a sua diarista, todos eles já tão sofrendo hoje.

Como micro-empresários vão pagar a folha de pagamentos? Esse mês ainda tem caixa, talvez. Se a quarentena durar mais de um mês, e o faturamento continuar zerado, fodeu. Acaba o caixa, acaba o dinheiro. Não tem mais como pagar funcionários. Eles vão precisar começar a fazer uma coisa que não se fazia há dez anos: cortar custos brutalmente e tentar ficar eficientes. Só que isso não resolve o problema do curto prazo. Sem faturamento, você precisa tirar dinheiro de algum lugar. Seja via empréstimos, seja vendendo ativos. E por isso você tem esse cenário: o preço de tudo tá caindo porque tem mais gente querendo vender do que gente querendo comprar. O valor das coisas, incluindo o valor das moedas, é definido pela oferta e demanda.

E aí todo mundo precisa trocar tudo por dólar, mas agora pense no dólar como um produto de prateleira. Não tem estoque de dólares suficiente pra todo mundo, então o valor do dólar aumenta na mesma proporção que ações e tudo mais caem. Portanto o preço do dólar sobe se comparado ao Real e a qualquer outra moeda. Por exemplo, veja dólares australianos. Uns 6 anos atrás eles estavam quase 1 pra 1 com o dólar americano. Vieram desvalorizando, mas 1 ano atrás ainda dava pra comprar 70 centavos com 1 dólar australiano. Agora só dá pra comprar 50 centavos, ou seja o dólar australiano perdeu metade do valor em uns 6 anos. Veja o Euro, que sempre era mais caro que o dólar, agora tá quase 1 pra 1.

Todo mundo que pensa limitado e ficava pensando só em como criptomoedas eram voláteis e não dava pra confiar? Como se sente agora com o real no seu bolso, o ouro, as ações, tudo com volatilidade em níveis de criptomoedas, e com valor em queda livre? O Real se tornou um shit-coin. Quem se deu bem neste momento é quem estava líquido em dólares. Quando o mundo se vê numa crise o dito popular que vale é "cash is king". A demanda por dólar tá tão alto que no começo da crise o Banco Central tentou segurar o preço do dólar colocando mais oferta no mercado, mas o que o Bacen tem pra colocar não é suficiente pra suprir a demanda e por isso os preços continuaram subindo.

Eu disse que estamos só vendo o começo, os efeitos disso tudo vão começar a aparecer no próximo mês, quando no começo de Abril os Estados Unidos reportarem o nível de desemprego norte-americano. Já existem milhões de desempregados lá por causa desta crise. E agora começa uma espiral negativa. Com a incerteza de até quando essa quarentena vai acabar, ninguém com bom senso vai fazer gastos desnecessários, e isso diminui o consumo. E não pense que todo mundo é que nem você que tem como fazer compras online. Sem consumo, aumenta o desemprego, que por sua vez colabora pra diminuir mais ainda o consumo. Se o consumo cai drasticamente dessa forma, fábricas vão fechar, serviços vão fechar, e isso vai gerar mais desemprego. Entenderam estamos numa queda livre já?

Podemos ficar discutindo em mesa de bar infinitamente se estamos sendo drásticos demais impondo essa quarentena massiva, mas o resultado disso é bastante claro, e ele não é bom. Nós já estamos numa recessão, não tem mais como voltar atrás. Essa recessão vai durar no mínimo, no mínimo um ano, provavelmente mais. Dependendo das ações coordenadas dos bancos centrais do mundo, talvez seja possível não entrar na pior etapa, que seria uma grande depressão. O que já perdemos agora não vamos recuperar em menos de 2 anos. E o valor do mercado não vai voltar aos mesmos patamares em menos de 4 ou 5 anos.

Quem vai se dar mal nessa crise no nosso setor de tecnologia? Lembra que eu venho avisando que startups que estavam no oba-oba de dinheiro fácil iam ter problemas? Pois é. Não é só a Netflix que tá numa situação delicada. Todas as estrelas da última década, os tais unicórnios, estão na mesma situação. Quando você não dá lucro e depende de artifícios como novas rodadas de investimento ou emissão de junk bonds e de repente o mercado inverte, e agora o único produto que tem valor é o dólar, significa que o valor que você achava que tinha agora não vale mais nada. E isso é o conceito de valuation. Valuation não é quanto você de verdade vale, é quando a gente acha que pode valer se oferecer no mercado. E na situação atual, a valuation de qualquer startup não tá valendo mais muita coisa.

Sabe aquele emprego fácil que você tinha numa startup unicórnio? Ela pode estar com os dias contados. Se a posição que você tem não gera valor pra sobrevivência da empresa, eu ficaria bem preocupado, porque agora muitas dessas startups vão ser obrigadas a fazer uma coisa que elas nunca tentaram fazer: ser eficientes. E pra ser eficiente cada centavo conta. Então a primeira coisa que precisam fazer é cancelar o desenvolvimento de qualquer coisa experimental ou que não colabore diretamente pro bottom-line, pros resultados. Em seguida precisam demitir todo mundo em posições que não são essenciais. Sabe aquele emprego fácil de coach? Já era.

O que eu falei no vídeo de Programação não é Fácil vai começar a acontecer agora, e eu já tenho ouvido casos de demissões já agora por causa disso. Alguns vão se precaver e cortar custos agora, alguns vão apostar que haverá algum milagre e segurar até ser tarde demais. Mas claro, não quer dizer que todas vão fazer isso amanhã. A maioria dos unicórnios que operam com fluxo de caixa negativo costumam conseguir levantar rounds de investimento que conseguem manter elas por até 2 anos. Quem conseguiu levantar investimento recentemente, tem cerca de 2 anos pra ficar eficiente. Quem tá no fim do ciclo e tava precisando de mais um round é que vai se dar mal.

Mas mesmo assim ainda tem outro cenário. Pra que servem os bancos centrais? Isso é um assunto super cabeludo. Mas a função do banco central é controlar o fluxo de moeda na economia. Eu nem vou entrar na questão de keynesianos versus escola de chicago versus austríacos, vou só falar do meu ponto de vista. Eu falei que o mercado tá massivamente procurando dólares, vendendo tudo que tem pra ter dinheiro em caixa. E também disse que se o estoque de dólares não é suficiente o preço do dólar sobe rápido demais e causa uma crise de liquidez na economia. O que significa isso? No pior cenário imagine um belo dia acordar e tentar sacar dinheiro no caixa eletrônico e não sair nada porque acabou o estoque de dinheiro.

Eu também disse que o valor das coisas é determinado pelo mercado. Muita gente vê uma empresa como uma Apple e as notícias até o começo do ano dizendo que as ações subiram e ela agora vale quase 1 trilhão e meio de dólares. A maioria da população pensa de forma ingênua, quase infantil, que existe uma conta de banco com 1 trilhão e que eles poderiam sacar todo esse valor em papel moeda a qualquer momento, mas não é assim que as coisas funcionam. Vamos dar um exemplo, por volta de 12 de fevereiro de 2020, antes dessa crise começar, uma ação da Apple valia uns 327 dólares, o que computava um market cap ou valor de mercado de 1.4 trilhão de dólares. Em 23 de março, pouco mais de 1 mês depois o valor da ação caiu pra 224 dólares e agora a Apple vale só 980 bilhões.

Porra, ainda é bastante dinheiro, claro, mas em pouco mais de um mês a Apple perdeu mais de 400 bilhões de dólares. Ou, mais corretamente, ela desvalorizou 400 bilhões. E pra ter uma idéia do que isso significa, 400 bilhões é mais ou menos a reserva de dólares que o banco central brasileiro tem em caixa. Toda vez que você ouve falar de algum bilionário ou qualquer celebridade rica é a mesma coisa, eles não tem todo aquele dinheiro em espécie. O preço da Apple, aos olhos do mercado do dia 23 de março é 980 bilhões e não mais 1.4 trilhão.

Agora deixa eu voltar no tempo mais de 10 anos, pra crise financeira de 2008 que eu sempre menciono nos videos. Eu recomendo muito que vocês assistam este documentário da HBO, também o filme The Big Short que eu já indiquei várias vezes nos meus vídeos, e leiam sobre o que aconteceu. Mas em resumo hiper resumido, lá por volta de 2005 em diante se iniciou uma bolha imobiliária. Acesso mais fácil a crédito e tudo mais começou a incentivar as pessoas a comprar mais casas e fazer financiamentos com os bancos, os chamados mortgages ou hipotecas.

Agora vai ficar complicado, então presta atenção. Pense hipotecas de milhares de pessoas sendo empacotadas em produtos financeiros e sendo securitizados. Papéis que tem como garantias essas hipotecas, ou mortgage backed securities, os MBS. Num primeiro momento tá tudo certo, as pessoas que financiam passam por análises de crédito de bancos com credibilidade, então todo mundo costuma ser bom pagador, e por isso essas MBS tem valor. Diferente dos junk bons do Netflix que eu falei. Só que com o crescimento da bolha aumentou o incentivo pra se procurar por mais hipotecas pra emitir mais MBS. MBS se tornou um produto de alta demanda. E pra suprir essa demanda começaram a flexibilizar o crédito pra pessoas que não eram boas pagadoras, pessoas que hipotecavam a mesma casa mais de uma vez, e essas hipotecas podres ou subprime mortgages começaram a poluir os MBS. E o primeiro erro é que as agências avaliadoras continuaram a dizer que esses MBS eram confiáveis.

Os vendedores de MBS tavam tão seguros que essas hipotecas eram todas de valor que eles ofereciam garantias, caso alguém faça default na hipoteca, onde default em inglês é calote, a seguradora garantia o crédito, esses eram os Credit Default Swaps ou CDS. O volume de CDS era tão grande que no seu pico acho que havia o equivalente a 47 trilhões de dólares. Pra ter noção desse valor, essa é a ordem de grandeza da dívida dos Estados Unidos. Não havia dinheiro no sistema financeiro suficiente pra cobrir esse tanto de CDS. Quando a crise começou todos os bancos norte-americanos estavam contaminados de subprime MBS podres e CDS que eles não podiam cobrir. E isso não foi corretorazinha de criptomoeda do Rio Grande do Sul. Estamos falando de Goldman Sachs, Merryl Linch, JP Morgan, Wells Fargo, Citigroup.

O cenário era tenebroso, esse câncer fez desaparecer o dinheiro do sistema. Porque o dinheiro só existia numa planilha, no balanço dos bancos. Um monte de gente perdeu as casas porque pense nessas hipotecas como alavancagem que eu expliquei no começo do vídeo, num determinado momento elas precisavam pagar a mais pra cobrir e a maioria não tinha como. Daí o banco faz foreclosure que é tomar a casa. E mesmo assim não havia dinheiro suficiente no sistema. Então o FED que é o banco central americano tentou intervir, mas muitos criticam que o Congresso demorou demais pra agir e a intervenção foi pequena. Precisou o Bear Sterns faliu, depois o gigante Lehman Brothers e outros num efeito dominó que ameaçava fechar bancos que você nem imaginaria como o próprio Goldman Sachs ou Merryl Linch, todo mundo tava contaminado.

Pra resumir a história, quando as intervenções pequenas não estavam surtindo efeito pra suprir a demanda por liquidez o que parece que tapou o buraco foi o programa conhecido como TARP ou Troubled Assets Relief Program. Nesse caso o FED literalmente fez o que chamamos de “imprimir dinheiro”. Não literalmente de imprimir fisicamente papel moeda, mas ele comprou esses MBS podres dos bancos, isso injeta dinheiro no sistema financeiro que é como uma transfusão de sangue e com isso o sistema voltou, male male, a funcionar. Pelo menos os principais bancos não quebraram. Foi algo na ordem de 400 bilhões de dólares injetados no sistema pelo TARP.

Pra consertar o problema o FED removeu o câncer dos bancos, comprando pra si esses ativos tóxicos. E desde então os MBS estão no balanço do FED. Mas a população em geral detestou isso porque ficou parecendo que o dinheiro do contribuinte foi usado pra salvar banqueiros. E eles não estão completamente errados. Porém, sendo advogado do diabo, o medo todo é que se eles não fizessem isso os bancos teriam todos quebrados, o sistema financeiro mundial entraria em ruínas e nós teríamos entrado numa depressão pior que a Grande Depressão de 1929.

E aqui eu recomendo que você assistam este documentário sobre a grande depressão de 1929. Muita gente já ouviu provavelmente falar do famigerado Black Tuesday, quando o índice Dow Jones caiu 12% em um só dia dando início à famosa Crise Financeira de 1929. Novamente em resumo, pra financiar a Guerra Civil americana de 1861 o governo emitiu Liberty Bonds, que são papéis da dívida do governo, o que a gente chama de tesouro, o que ajudou a iniciar a bolha de investimentos. E adivinha? Lembra o conceito de alavancagem que eu falei antes? Imagina que uma boa parcela da população estava não só comprada em ações de grandes empresas como General Electric e gozando de um mercado que só subia no começo do século XX, achando que eram invencíveis, como eles estavam alavancados, e muito alavancados.

Então quando o Dow Jose caiu do nada 12% isso causou um pânico geral, e quando todo mundo quer vender de uma só vez o preço de tudo cai. De novo, oferta e procura. Só que o presidente Hoover, na época, não só não sabia o que fazer porque isso era novo, como acabou não fazendo quase nada e deixou os mercados irem até onde dava pra ir. O resultado foi que a bolsa quebrou, a crise de liquidez quebrou uns bons 3 mil bancos. Sem bancos o crédito sumiu, e todo pequeno comerciante e micro-empresário ficou sem caixa, o que fechou empresas e fábricas, e gerou um desemprego gigantesco na casa de 25%. A Grande Depressão que é contada até hoje como história de terror e desespero.

Isso afetou não só os Estados Unidos como diversos outros países na Europa, como na Inglaterra, Alemanha, Itália e outros. Os níveis gigantes de desemprego, queda brutal no consumo levou a recessão ao nível de depressão. E muitos concordariam que isso ajudou muito a convencer o povo alemão, que já vinha massacrado da primeira grande guerra, a procurar um salvador da pátria e subir alguém como Hitler ao poder. E o mesmo aconteceu na Itália elevando alguém como Mussolini. O resto, como vocês sabem, é história.

E foi por isso que em 2008 o FED, apesar de atrasado, tentou evitar a quebradeira geral dos bancos e dar a liquidez pra evitar que a recessão que era iminente se tornasse uma nova grande depressão. Veja que todas essas crises começam com a queda nas bolsas. Na crise atual tivemos a sequência mais rápida de 6 circuit breakers, nem na crise de 2008, nem na de 1929 foi rápido assim. Eu disse que o FED injetou pelo menos 400 bilhões via o programa TARP pra estancar a crise de liquidez na crise de 2008? O FED hoje está prometendo trilhões de dólares e os mercados continuam não reagindo. Eu disse que o nível de desemprego durante a Grande Depressão de 1929 chegou a 25%? Alguns analistas como o do Goldman Sachs avaliam que podemos chegar a 30% de desemprego este ano nos Estados Unidos por conta dessa crise de quarentena gerada pelo pânico.

E desta vez temos mais uma variável: não sabemos quanto tempo vamos ter que ficar em quarentena. Mesmo se por milagre a doença simplesmente sumir hoje, nós já estamos em recessão. Se formos obrigados a ficar mais do que um mês, vamos começar a ver nos noticiários várias empresas quebrando uma atrás da outra. Depois vamos ver notícias de como o desemprego tá atingindo níveis recordes. E se nada mudar podemos mesmo acabar entrando numa nova Grande Depressão. Esse é o pior cenário possível e por isso nesses dias próximos de 23 de março de 2020, caso você esteja assistindo este video no futuro, o FED tá querendo evitar fazer muito pouco muito tarde como foi em 2008 e 1929 e tá indo all-in, atirando com tudo o que tem, anunciando um Unlimited Quantitative Easing, que é um termo que você vai ouvir falar muito ainda.

Pra evitar toda essa espiral negativa que aparece numa recessão o FED tá querendo apertar o botão de reset. Em 2008 ela comprou os ativos tóxicos que eram os subprime mortgage backed securities. Em 2020 ela não quer só recomprar títulos do tesouro, ela quer comprar todos os ativos tóxicos e puxar todos os preços de tudo que caiu pra cima de novo. Não literalmente tudo, mas bastante. É quase como nacionalizar tudo. O problema de fazer isso, que é praticamente como imprimir dinheiro do nada, é que isso desvaloriza o câmbio, e se não tomar cuidado gera uma puta inflação. Se você é novo pergunte aos seus pais o que foi a hiper inflação dos anos 80 no Brasil e porque temos medo de inflação.

Mas pior que isso, ninguém tem nem uma mínima noção de como funcionam esses mecanismos que acabei de citar, e provavelmente a gente talvez não caia numa depressão do jeito negativo que eu pintei. Se der certo, as intervenções vão funcionar o suficiente mas não vão conseguir salvar todo mundo, e vai de novo ficar a impressão que os governos estão salvando os bancos e as grandes empresas. E de novo vamos ver revoltas como o movimento Occupy Wall Street e pode de novo levar a população a acreditar que precisamos de medidas socialistas, populistas e consequentemente totalitárias e ditatoriais, porque se tem uma coisa que a população média adora fazer, principalmente em tempos de crise, é achar que salvador da pátria existe, e é assim que os Hitlers da vida chegam ao poder.

O que temos hoje não é capitalismo, já não é faz décadas, não é livre mercado, o correto seria deixar o mercado se corrigir e expurgar o câncer. É como qualquer organismo em evolução durante milhares anos. Mas se tivermos uma mão divina como o FED literalmente salvando temporariamente o mundo todo, uma hora isso vai causar uma crise de proporções ainda maiores do que hoje. E eu não tenho como explicar em poucos minutos todas as ramificações por isso aqui eu páro pra recomendar dois canais que vocês deviam assistir, o primeiro é o Idéias Radicais que explica muito dessa filosofia, e o segundo é o canal do Fernando Ulrich que tem feito uma cobertura muito boa em todos os dias dessa crise e também já vinha explicando quais são os efeitos que essas intervenções do FED podem causar.

O que todo mundo quer saber agora é o que deve fazer. E obviamente é impossível de dizer. Quem tem essa bola de cristal certamente não está divulgando. Lembram do meu video de Não Terceirize suas Decisões? Pois é, não adianta ficar me perguntando o que vocês devem fazer com suas vidas. Se for seguir a lógica, o período de quarentena ainda vai continuar pelo menos mais algumas semanas. Na Ásia alguns países como Coréia do Sul e Japão estão conseguindo se controlar mesmo sem precisar de uma quarentena completa de todo mundo. Não é do interesse de ninguém esticar essa quarentena mais tempo do que o necessário. Pra isso os governos devem acelerar tanto a produção massiva de mais testes e também tratamentos como os a base de hidroxicloroquina pra mitigar os efeitos da pandemia e eventualmente só isolar quem realmente tá contaminado. Mas isso ainda vai levar semanas.

Se as quarentenas demorarem mais que isso, cada vez mais a recessão vai ficar mais e mais cara. Da forma como tá hoje, eu daria um chute - e é chute mesmo - que não vamos nos recuperar em menos do que uns 2 anos. E isso eu quero dizer reverter os níveis de desemprego e de consumo. E mesmo com a queda colossal de 42% da bolsa, os ativos ainda devem cair mais enquanto o mercado não ver que as quarentenas estão chegando ao fim. E todo esse valor perdido só deve ser recuperado em uns 4 a 5 anos.

Por isso a recomendação mais óbvia, pra quem pode, é ficar líquido. Isso significa manter dinheiro em caixa. Agora não é a hora de fazer grandes gastos. Se for possível atrasar o financiamento de uma casa, atrase. Se não precisar o carro que tava querendo comprar, não compre. Se for possível evitar fazer viagens caras, evite. Pra quem tem condições existem pelo menos duas oportunidades aqui. A primeira é pra quem tem dinheiro e está líquido. Quando a poeira baixar vai ser a hora de comprar ações de empresas que tem bons fundamentos e vão estar muito baratos. Então é a hora de estudar os balancetes e resultados das principais empresas na bolsa, escolher os que tem menos dívidas, estão menos alavancados e cujos nichos de mercado devem se recuperar primeiro.

Pra quem é jovem e estava afobado porque parecia estar atrasado pra entrar num mercado que não parava de crescer, pause um segundo, os mercados pararam de crescer. Na realidade o que vai acontecer é muita demissão. Por isso o valor de um profissional medíocre vai cair. Lembra? Oferta e demanda. Vai haver muita oferta, muito estoque sobrando, de pessoas que só fizeram cursos básicos ou tiveram formação inadequada e vai crescer a demanda por profissionais bem preparados, que já são raros hoje. Vocês acabaram de ganhar uns 2 anos ou mais pra estudar com calma, criar fundações sólidas, como eu venho repetindo sem parar em vários videos do canal.

E quando a maré virar, o mercado vai precisar de gente bem preparada. Eu disse isso antes e vou dizer de novo: com ou sem crise, o mercado sempre tem espaço pra gente competente de verdade, aquele que realmente faz a diferença no resultado da empresa. E agora você vai ter menos concorrência, porque a maioria quis pegar atalho pra surfar a onda, não fez fundações sólidas, escolheu cursos mais por serem curtos do que por serem bons. Evitaram as coisas difíceis e como o mercado só crescia, eles tinham espaço. Esse espaço vai começar a desaparecer a partir de agora. Eu disse isso no meu vídeo de Programação não é Fácil, se você tem uma posição que não é fundamental pra sobrevivência da empresa, fique preocupado. Claro, com o resgate do FED ainda vão sobrar muitas, mas se tudo der certo, pelo menos as piores vão falir.

Eu venho falando já pelo menos desde o começo de 2019 que por volta de 2020 ou 2021 vocês deveriam se preparar pra um período de correção dos mercados. Vocês prestaram atenção e fizeram isso? Se fizeram não tem nada a temer, vamos passar por uma longa tempestade, mas se você estiver preparado vai chegar até o final só molhado em vez de afogado. E por hoje eu vou acabar num cliffhanger pro próximo episódio onde eu vou fazer um novo vídeo sobre educação pra esse novo período e eu precisava da introdução de hoje pra continuar. Por enquanto seguimos Abril de 2020 em quarentena. Fiquem seguros e fiquem em casa, não contribua neste momento pra aumentar a estatística de contaminação. Se ficaram com alguma dúvida mande nos comentários abaixo, se curtiram o video mandem um joinha, assinem o canal, não deixem de clicar no sininho pra não perder os próximos episódios e ajudem o canal compartilhando com seus amigos. A gente se vê, até mais.

tags: akitando covid-19 corona virus escola austriaca fed bacen quantitative easing crise financeira 2008 grande depressão 1929

Comments

comentários deste blog disponibilizados por Disqus