[Akitando] #3 - Por que a Coréia do Sul é tão grande em Criptomoedas?

2018 August 21, 17:00 h

Disclaimer: esta série de posts são transcripts diretos dos scripts usados em cada video do canal Akitando. O texto tem erros de português mas é porque estou apenas publicando exatamente como foi usado pra gravar o video, perdoem os errinhos.

Descrição no YouTube

Neste episódio finalmente vamos ver alguns dos assuntos que assisti na conferência Beyond Blocks Summit em Seoul. E no meio da pesquisa esbarrei com uma história muito curiosa que quero contar em mais detalhes aqui:

O que um culto xamanista e um cachorro de estimação podem ter a ver com o impeachment da presidente da Coréia do Sul e como isso pode estar relacionado com o boom das criptomoedas lá?

Este episódio ficou com a narração um pouco mais devagar do que eu gosto, mas nos próximos eu acelero um pouco mais, aguardem ;-)

Script

A gente acha que o Brasil não é para novatos. É verdade. Mas não subestimem outros países. Querem ver? Como um CULTO XAMANISTA e um cachorro de estimação levam ao impeachment da presidenta da Coréia do Sul e o que isso pode ter a ver com o boom de criptomoedas lá?

Rola a intro!

Olá Pessoal, Fabio Akita!

Mano … esse episódio vai dar trabalho. Apertem os cintos e vamos lá! Com o turismo pra trás, HOJE vamos falar sobre o que vocês estavam esperando. Por que a Coréia é o que é no mundo de criptomoedas HOJE?

Claro, podemos criar muitas teorias e a maioria delas provavelmente vai estar errada, MAS uma delas veio logo no primeiro dia do evento Beyond Blocks. A primeira palestra foi do CEO e co-fundador da Hashed, Simon Kim.

A Hashed é um dos grupos mais influentes no mundo de criptomoedas na Coréia. Basicamente é uma aceleradora fundada no meio de 2017. Eles tem dezenas de startups no portfólio e estão envolvidos em projetos que vocês já devem ter ouvido falar como Kyber Network, OmniseGo, EOS, WAS, Storm. No portfolio deles, segundo a Crunchbase, você vê empreendimentos como Origin Protocol que já levantou mais de USD 28 milhões em investimento, Watcha que levantou 12 milhões, Bluzelle que levantou quase 20 milhões e assim por diante.

O próprio Simon foi um investidor no começo do Ethereum e, claro, se deu muito bem quando o Ether começou a crescer exponencialmente. Muitos fundadores de crypto funds eram inicialmente investidores e tiveram a sorte de pegar os primeiros bull runs como o de 2013 e do ano passado.

A teoria de Simon e da Hashed até faz muito sentido pra mim por isso apresento ela aqui. E tem a ver com TRES pilares: cultura, demografia e timing político.

Para dar perspectiva, pense que a Coréia do Sul é um país BEM pequeno. Ele não está nem entre os top 100 países em tamanho. É quase o fim da lista dos top 30 de população. Mas mesmo assim figura quase entre os top 10 de PIB, estando em 12o lugar!

A coréia é globalmente mais conhecida hoje pelo que eu chamo dos TRES Ks: Kimchi, K-pop claro e Kryptomoedas.

Que outros fatos são interessantes? Eles tem uma das internets mais rápidas do mundo, liderando acima da China, acima do Japão.

Eu falei como todo coreano carrega um celular Samsung e eles tem a maior densidade de smartphones difundido na população. E não estamos falando de feature phones, tipos os Nokia baratos que ainda se usa em muitos lugares da China ou Índia por exemplo. Estamos falando de smartphones Android. E a penetração é nada menos que 94% da população!

Some isso ao fato que quase metade dessa população, 40%, vive em Seoul ou em cidades ao redor da região de Seoul e você tem uma das populações mais hiperconectadas do mundo. O Brasil por exemplo é prejudicado pela sua geografia, que isola as cidades e impede conexões maiores. Veja este vídeo para saber mais.

https://www.youtube.com/watch?v=FQ2jmrz_xgU

Por causa disso a Coréia tem a 4a maior receita de app store do mundo. Só em 2017 os sul coreanos gastaram nada menos que 3 BILHÕES de dólares no Google App Store comprando itens puramente digitais. Avatars, presentes digitais, upgrade de apps. Num jogo chamado Lineage que é um MMORPG tipo World of Warcraft, jogadores gastam até 1000 DÓLARES em espadas digitais de quantidade limitada.

Games, todo mundo sabe que a Coréia tem uma longa tradição em games, MMORPG, e-sports. Todo mundo neste ponto já conhece a Bluehole que é a criadora sul coreana do explosivo massive multiplayer battle royale PUBG. Mas essa tradição vem lá de trás.

Sabe qual é o MMORPG mais antigo ainda em funcionamento até hoje? Que tal NEXUS: The Kingdom of the Winds que foi lançado em 1996 (!!) e até hoje está funcionando?

Em 1999 você já tinha o primeiro serviço pago de avatars chamado SayClub!

Também em 1999 você tinha um tipo de rede social com microblogging onde você podia comprar mercadorias virtuais para mobiliar um quarto virtual chamado CyWorld, algo como um Orkut mas já envolvendo comércio.

E 1999 não pára porque daí você tinha um grande portal onde você podia jogar usando uma moeda virtual, o Hancoin, na plataforma Hangame.

E o próximo passo depois de comprar coisas virtuais é trocá-las e aí você tem a plataforma ItemBay em 2001, um e-Bay para coisas virtuais.

E a Coréia também embarcou na onda Napster de música p2p com seu próprio Soribada.

E isso sem contar o início do e-Sports com o Starcraft League em 2000, a primeira liga de e-sports a atrair popularidade nacional.

Um aspecto que eu mesmo não tinha me dado conta, e faz todo sentido, é que asiático é viciado em jogatina. E jogatina organizada tipo cassino é proibido em muitas dos países asiáticos como na China, Japão ou Coréia do Sul. Só estrangeiros podem frequentar os cassinos. Um exemplo, Macau tem metade dos casinos de Las Vegas mas tem o DOBRO da receita. E nem começamos a falar das apostas em corridas de cavalos.

Com tudo isso, estabelecemos que a sociedade coreana é altamente cosmopolita, com quase metade da população na grande região ao redor de Seoul, todo mundo altamente conectado onde as notícias se espalham muito rápido entre uma população altamente acostumada a jogatina online.

Mas em 2012 quando o Bitcoin começou seu primeiro grande crescimento parabólico (antes do crash por causa do Mt Gox e Silk Road) os coreanos ainda não tinha muito acesso a comprar Bitcoins e perderam essa corrida. Então quando o Ethereum apareceu e passou do USD 1 de valor já haviam várias exchanges operacionais e as pessoas viram como uma oportunidade de investir no “próximo Bitcoin”.

Quando o valor do Ethereum passou de USD 1 para USD 40 em 4 meses em 2016, a notícia de ganhos de 4000% se espalharam hiper rápido e todo mundo começou a comprar Ether como se não houvesse amanhã! E as notícias de ganhos extraordinários em altcoins como Ripple, Litecoin, Monero e outros continuaram a se espalhar extremamente rápido nas mídias sociais durante 2017.

Só uma coisa poderia parar isso: a intervenção do governo. Qualquer governo do mundo, principalmente em 2015 a 2016, depois do crash da Mt Gox de 2014, estaria atento vendo pessoas comprando coisas como Ether desgovernadamente e o preço subindo de USD 1 para USD 10 do nada.

Em 2013 a Coréia do Sul tava elegendo seu 18o presidente, a primeira presidente mulher da história não só da Coréia do Sul, mas do Leste Asiático - 박근혜 - Park Geun Hyeo . Ela tinha longa carreira política e exerceu quatro termos consecutivos no parlamento desde 1998. Segundo nossa amiga Wikipedia, depois que foi eleita ela foi listada como décima-primeira das mulheres mais influentes da lista da Forbes e quadragésima-sexta (46) pessoa mais influente da lista da Forbes, em termos de coreanos ela tava só atrás do presidente e vice-presidente do poderoso grupo Samsung. Lembram? 15% do PIB??

Ela também era conhecida pela más línguas como a “filha do ditador”, Park Chung Hee 박정희 que liderou um golpe de estado em 1961. Pelo bem ou pelo mal, numa Coréia do Sul pós-liberação (lembra? Contra os fantoches do norte em 1950), tendo terminado a segunda república que não tinha apoio por acusações de terem fraudado as eleições de 1960, dizem que a ditadura de Park criou as fundações pro rápido período de industrialização do país. As ditaduras militares iam ainda continuar até 1993.

Em 1974 uma tentativa de assassinato deu errado e o tiro perdido matou a primeira mulher de Park - Yuk Young-soo 육영수.

Park Chung Hee e sua filha Park Geun Hye obviamente sofreram muito com a morte de Yuk Young Soo e eis que uma figura bizarra aparece: Choi Tae-min originalmente um monge budista que se converteu para a igreja católica romana e criou um culto xamanista chamado Yongsae-gyo (영세교), ou “Igreja do Espírito do Mundo”, se auto-declarando Maitreya, ou “Futuro Buda”! Ele apareceu na vida dos Park logo depois do assassinato de Yuk Young Soo dizendo que ela apareceu para ele e pediu para que ajudasse sua filha!

Park escapou de outras tentativas de assassinato, sendo 2 pelo menos ligados a simpatizantes da Coréia do Norte. Mas em 79 ele foi traído pelo seu amigo e diretor da agencia central de inteligencia - a fucking CIA da Coréia- Kim Jae-gyu 김재규 que depois foi capturado junto com seus comparsas, torturado, julgado, condenado e executado. Então, em 2 anos, a jovem Geun Hyeo perdeu sua mãe e seu pai.

E foi assim que o sinistro Choi se tornou mentor de Park Geun Hyeo e também foi assim que sua 5a filha Choi Soon Sil se tornou amiga de Park Geun Hyeo desde pelo menos 1977.

Com uma carreira em ascensão que culminou em ser eleita democraticamente presidente em 2013 começaram a aparecer os escândalos. Parece que Park se tornou mero fantoche dos Choi, sendo manipulada a vida inteira.

Mas como isso veio à tona? A Coréia do Sul não é para amadores. A coisa estourou por causa do Puppygate! Isso mesmo!

Em resumo, a tal Choi conheceu um ex-esgrimista e atleta olímpico, o Ko Young Tae, que estava com uma marca luxuosa de bolsas e roupas chamada Villomillo. Choi gostou dos itens e passou a dá-los para a presidente Park. E, claro, o Ko se beneficiou muito tendo sua cara marca de itens associada não-oficialmente a Park via Choi.

A coisa azedou uma vez que a Choi pediu para ele cuidar do cachorro da sua filha. Ko deixou o cachorro no seu apartamento e foi jogar golfe. Quando voltou tomou uma comida de rabo homérica por ele ter deixado o cachorro abandonado. Daí ela passou a tratar ele mal, xingando ele, tratando como escravo. E o que fez o sr. Ko? Resolveu devolver os maus tratos: foi pra imprensa e contou da relação da Choi com Park. Aí a casa caiu.

Foi revelado como Choi Soon Sil que Não tem afiliação política nem nenhum tipo de cargo oficial tinha acesso a documentos confidenciais do governo, chegando a editar os discursos de Park. Também por causa dessa relação apareceu que Park fazia as grandes empresas como Samsung doar mais de dezenas de milhões de dólares para ONGs controladas por Choi.

Em resumo, como vocês sabem, o boca a boca corre MUITO rápido na população hiperconectada de Seoul. E em outubro de 2015 o povo já tava de saco cheio e foi pras ruas pedindo a renúncia de Park. Ela se recusou a renunciar mesmo tendo chegado ao pior índice de aceitação da história da Coréia do Sul, indo para 1% entre as pessoas abaixo de 60 anos de idade.

Choi foi até chamada por muitos de a Rasputin Coreana. Depois de muitas investigações e muita merda jogada no ventilador que espirrou em gigantes como os grupos Samsung e Lotte, terminou com a condenação de 20 anos de prisão de Choi. E tentando relutar e negar até o fim, boicotando os julgamentos, ela terminou condenada por 16 das 18 acusações e terminou com uma sentença de 24 anos de prisão. Agora ela está cumprindo sua pena no Centro de Detenção de Seoul. Muitos ainda apoiam a ex-presidente e dizem que foi Golpe. ..

Sério, essa história é surreal. Quando você acha que já viu de tudo .. mas eu sei que ficou longo mas a história é tão legal que eu me empolguei aqui.

E o que tudo isso tem a ver com criptomoedas você se pergunta. Imagine o rebuliço que ficaram todas as instâncias de todas as instituições do país enquanto as investigações e o escrutínio da mídia e do público pegavam fogo.

Vocês acham que alguém do governo tava prestando atenção em Ethereum, que estava tendo uma valorização meteórica de preço de USD 1 para USD 40 e a mesma coisa estava começando a acontecer com outras alt-coins. Num período normal o governo teria brecado isso.

E eis a receita de como a Coréia do Sul saltou para o país com o maior volume de transações em criptomoedas em 2017. Imagina, uma população viciada por jogatina, ouvindo falar de novos milionários aparecendo do dia para a noite por causa de uma novidade chamada criptomoedas. O boca a boca digital de uma população quase inteira hiperconectada.

Nos Estados Unidos parece que nem 1% da população tem criptomoedas. De acordo com algumas pesquisas da Hashed, parece que nada menos que 30% dos trabalhadores assalariados da coréia do sul já tem criptomoedas em alguma forma, e isso é um número conservador. Alguns acreditam que o número real seja mais próximo dos 50% ou mais.

Além disso nos Estados Unidos, a maioria dos investidores está concentrado em grupos mais jovens, de millennials. Na Coréia até sua avó está investindo em criptomoedas. Não é incomum encontrar grupos de velhinhas discutindo altcoins nos cafés de Seoul.

Como disse no começo, é muito difícil dizer que essa exata sequência de eventos foram realmente os determinantes, mas que é uma puta boa história, isso é. E no mínimo serve para tornar a imagem que temos dos coreanos mais colorida.

E no próximo episódio vou ser mais leve e vamos tratar dos outros assuntos e startups que vi nos eventos. Em particular, vamos começar a tocar no assunto de ICOs!

Nos vemos em breve! Câmbio e desligo!

tags: coréia do sul hashed criptomoedas beyond blocks seoul akitando

Comments

comentários deste blog disponibilizados por Disqus