[Akitando] #2 - Akitando em Seoul - Parte 2

2018 August 16, 17:00 h

Disclaimer: esta série de posts são transcripts diretos dos scripts usados em cada video do canal Akitando. O texto tem erros de português mas é porque estou apenas publicando exatamente como foi usado pra gravar o video, perdoem os errinhos.

Descrição no YouTube

Esta é a segunda parte da parte turística da minha viagem para Seoul em Julho de 2018. Vamos continuar de onde paramos, no topo da Nansam Tower e visitar outros lugares da cidade.

Hm, e no começo do vídeo eu achava que ainda era possível colocar annotations nos vídeos pra clicar em cima mas o YouTube tirou e eu não sabia :-) Então ficou só o card no topo mesmo, mals pela minha noobice haha

Para quem me acompanha nas redes sociais como Facebook ou Instagram (@akitaonrails), este episódio ainda é gravado pelo meu pobre Osmo+, no próximo que vou testar os novos equipamentos.

E no próximo episódio começar a falar sobre os assuntos das conferências de criptomoedas. Não deixem de seguir o canal e ativar o sininho!

Aliás, depois eu achei este vídeo mostrando todos os lugares que eu menciono nos meus 2 episódios só que com muito mais detalhe, qualidade. Assistam pra ver como são de fato os lugares que mencionei: https://www.youtube.com/watch?v=AulHEVz75lY

Script

Anyonhaseyou de novo! Fabio Akita!

No episódio anterior eu tinha parado no topo da Nansam Tower. E eu estava lembrando do Gangnam Style do Psi e explicando como o rio Han divide a cidade em Norte e Sul.

Agora Gangnam significa literalmente “sul do rio” e agora vocês sabem porque. É um bairro mais badalado. Tem muitas empresas, bancos, o world trade center deles, incluindo 2 monumentos em comemoração ao Psi; um que é literalmente a pose mais famosa da música do lado do enorme COEX Mall e outro um pouco menor em Gangnam square, no cruzamento onde você encontra a sede da Samsung e sua loja modelo, a Samsung D’Light.

A D’Light tá longe de ser a loja Cubo da Apple de New York, mas tenta seguir um pouco o estilo, apresentando seus principais flagships e alguns displays mais conceituais ou protótipos, incluindo suas excepcionais TVs, eletrodomésticos, equipamentos de VR. Aliás, na Coréia você vê todo mundo usando algum modelo de smartphone Samsung. Para ter uma idéia de quão grande a Samsung é, pensa que eles representam pelo menos 15% do PIB do país! O PIB!

A Apple sequer tem Apple Store própria lá. Tem uma marca que meio que tem algumas lojas licenciadas para vender produtos Apple chamada Frisbee, .... Frisbee ... como uma que vi em Myeongdong. Mas Samsung é de longe mais difundido.

Falando nisso, eu já disse que apps do Google são inúteis lá? O Google meio que desconsidera o mercado porque o governo local (e na China é pior, como todos sabem) é protecionista. Google Maps tem um mapa básico, semi-funcional porque pelo menos tem as linhas de metrô mas ESQUECE rotas, é inusável. Ninguém usa Whatsapp, nem Hangouts, nem Messenger. Tudo lá gira em torno de uma empresa local chamada Kakao que faz tudo que o Google faz incluindo KakaoTalk, KakaoMaps, KakaoNavi para rotas de carros (que os taxistas usam). App de Taxi, lógico é o KakaoTaxi. Esquece Uber também. Lá só tem Uber Black e é bem mais caro que taxi então nem compensa e tem um número bem menor. Taxi em si é até barato em comparação com Estados Unidos e pegar o metrô é mais rápido de qualquer forma. A Kakao tem um bom marketing porque eu esbarrei com pelo menos DUAS lojas de merchandising dos personagens da Kakao. Também esbarrei com loja de merchandising da Line. Asiático é mestre de merchandising, vi isso no Japão também.

Voltando à caminhada, depois disso eu precisava procurar mais alguns pontos de destaque. Esta é a prefeitura, de um lado um prédio moderno do outro um castelo mais tradicional. E por acaso tava tendo alguma manifestação política. Interessante ver a opinião dos manifestantes em frente ao palácio contra o regime do Norte, obviamente .... Uma manifestação organizada, pacífica e sem nenhuma bagunça ou qualquer tentativa de causa confusão. Também tinha pelo menos 3 ônibus de policiais ali ao redor.

Resolvi ir um pouco mais longe - bem longe na verdade - no bairro de Songpa-gu onde tem o parque Olímpico. Um parque enorme no meio da cidade. Um pouco maior que nosso Ibirapuera em São Paulo, mas menos da metade de um Central Park. O lugar é grande, de novo, caminhei o máximo que pude mas o calor estava absurdo. ... Mesmo assim deu para aproveitar o cenário verde e quente no meio da cidade.

Outro lugar que resolvi visitar foi o National Museum Palace, com relíquias da dinastia Joseon, construções com influência de arquitetos russos. É um parque também ENORME, e também difícil de apreciar totalmente no CALOR infernal. Ele fica no bairro de Jong-Url Gu que é meio um bairro ao redor de escolas, então ao mesmo tempo tinha muitos estudante, e no parque não era difícil ver gente vestida com trajes de cerimônia da antiguidade. Além do contraste de ver construções palacianas na frente com prédios modernos ao fundo. Isso é outra coisa que vi tanto em Tokyo quanto Kyoto, construções históricas preservadas no meio das construções modernas. Diferente das Américas, a história de lugares como Europa e Ásia remetem milhares de anos no passado e esse contraste é SEMPRE fascinante.

Lição de casa feita, lugares históricos e turísticos visitados, eu queria fazer compras. Como disse antes o lugar é feito para mulheres. Eu queria achar bons lugares de eletrônicos. Já tinha ouvido falar do mercado de Yongsam então fui até lá. É um complexo de prédios com pequenas lojinhas de novo, boxes, mas basicamente um lugar para achar coisas de segunda mão. Nem de longe perto de uma Best Buy dos Estados Unidos. Se você quiser achar peças, acessórios, coisas meio velhas a bons preços acho que é um bom lugar. Se você é de São Paulo, imagina a região da Santa Ifigênia, só que mais limpo e com BEM menos gente. É Yongsam.

Por acaso também passei perto de outro lugar chamado Techno Mart em Gwangjin-gu. O nome meio que dá a entender que deve ser um lugar de eletrônicos. Mas apesar dos 8 andares e centenas de pequenas lojinhas, de novo, parecia uma Santa Ifigênia vertical. Você até achava algumas coisas novas, mas no geral era meio bagunçado e meio vazio. Sério, se você já andou pela Ifigênia, ou Liberdade ou Paulista e viu aquelas galerias apertadas com lojas boxes é meio isso. Na verdade, lembra dos shoppings de metrô que falei, é tudo parecido: lojas boxes. Todas áreas de loja da cidade lembram um Bom Retiro e Ifigênia só que muito maior.

Finalmente achei mais ou menos o que eu tava procurando num hiper mercado! Não muito longe, em Myeongdong mesmo, perto da estação Seoul que é onde chega a linha de trem do aeroporto também, é onde você encontra o Lotte Outlet com várias marcas famosas e o Lotte Mart que é um hipermercado - aliás um hipermercado cheio e barulhento, cheio de tias com pequenos estandezinhos de degustação de algum miojo coreano e coisa assim. No andar de cima uma loja de eletrodomésticos e eletrônicos para quem estiver interessado. O hipermercado em si é bem interessante e onde me dei conta de outra coisa. Eu tava curioso para saber da bebida mais vendida do mundo, o Soju. No Japão você tem Sake que é o fermentado de arroz e base de tudo que é drink e coquetel aqui no Brasil também. Mas na Coréia eles bebem Soju que é um destilado de arroz. Diferente de Sake que você costuma associar com garrafas mais caras, o Soju é vendido no mercado em garrafinhas de plástico a 2 dólar, é bebida popular tipo breja. Não é a toa que é mais vendido.

E é isso aí, taí minha RÁPIDA passagem por Seoul. A viagem é brutal! Pensa, quase 30 horas, soma ai 14 horas de São Paulo a Dubai, depois umas 3 a 4 horas de espera e mais 9 horas de Dubai até Seoul. A ida e volta é basicamente a uma volta completa ao redor do mundo!

Eu já tinha reservado 2 dias pra conferência, a Beyond Blocks. Daí fui convidado para participar de um meetup um dia antes e chegando lá descobri que ia ter outra conferência de 2 dias no fim de semana. Então o que acabei de resumir aqui foi o que deu para ver em uns 4 dias e pouco. Dado que ir de novo até lá é mais uma volta ao mundo, tentei ver o máximo que pude.

Da próxima vez, quero chegar lá sabendo falar um pouco mais da língua. Eu consigo ler - que nem uma criança de 2 anos - e quase não tenho vocabulário. Dava para ler algumas placas, embalaagens e coisas do tipo, mas só. Ajudou muito que a sinalização é em Hangul, Japones e Inglês. E até no metro eles falam as 3 linguas nos vagões. Aliás, todo lugar que eu andava ouvia japoneses. Faz sentido já que de Narita para Seoul é praticamente uma ponte aérea.

Fora das conferências, eu quase não vi ocidentais. Brasileiros, zero, puta contraste comparado com Miami por exemplo - onde você pensa que nem saiu do Brasil. Os taxistas e um povo mais velho das lojinhas tem zero paciência com você. É até meio zoado pra mim porque à primeira vista eles olham pra mim e pensam que sou coreano ... aí eles acham que eu vou falar em coreano ... e eu não falo .. daí já olham pra mim com aquela cara ...

Se for ocidental pelo menos já não esperam nada. A maioria dos taxistas que peguei também tinha zero paciência. Numa das noites eu tava acompanhando um grupo de franceses e tentando pegar taxi e nenhum parava. Um que parou uma hora fez de desentendido e, serio, depois de uns 10 minutos mostrando no mapa do celular onde a gente ia, ele não queria sair do lugar e a gente teve que sair do taxi e ir procurar outro. Por sorte um taxista mais novo que arriscava um inglês bem ruim resolveu nos levar … pelo dobro do preço.

A comida lá é toda à base de Kimchi.... Sempre tem kimchi, esses vegetais fermentados. E sempre apimentado. Aliás, tudo lá é apimentado. Eu não comi em restaurantes caros nem nada. Quando viajo eu gosto de comer o que os locais comem. Mas vou dizer que tendo experimentado Tokyo, o que comi em Seoul não me deixou impressionado. Uma coisa que me acostumei em Tokyo foi comer marmita de loja de conveniência, em Seoul tem muitas, como as GS25 e não é de todo ruim não, pelo preço. No geral a comida lá é razoavelmente barata. Comi em restaurantezinho de beco, de qualidade duvidosa, comi em shopping que achei meio ruim. Sério, no shopping, um dos restaurantes fazia macarrao tipo de miojo mesmo, tinha uma pilha. ... Tirando isso tem bastante restaurante japones, chines e tailandes também. E eles têm uma variação de “barbecue” que são tiras de carne finas e grelhas nas mesas onde você mesmo que vai grelhando a carne e comendo com molho e sai com a roupa defumada no processo. Eu já tinha experimentado isso na Liberdade em São Paulo e no bairro coreano de Nova Iorque, e no calor de 40 graus eu não tava muito a fim de tentar em Seoul. Em termos de carne, obviamente é difícil chegar perto dos nossos churrascos. Ouvi até falar que tem uma churrascaria brasileira em algum lugar mas não cheguei a encontrar.

Pelo pouco tempo que fiquei lá até que deu para visitar vários lugares. Na prática, me pareceu uma Tokyo bem menor, com bem menos opções, e um pouco mais bagunçada. Tokyo, você pode ficar lá 1 mes e ainda vai ficando achando novidades, em Seoul dá impressão que em 2 semanas você já viu tudo.

Bom, com o turismo fora do caminho, no próximo episódio vou tentar resumir um pouco do que vi e ouvi nas conferências de blockchain e criptomoedas para explicar PORQUE a Coréia é tão influente nesse mercado.

Pra um episódio piloto ficou um pouco longo mas espero que eu tenha conseguido dar uma idéia de como é uma metrópole do outro lado do planeta. Se tiverem a oportunidade, obviamente recomendo visitar, com pelo menos o dobro de dias que eu. 10 dias de turismo deve ser mais que suficiente para saciar sua fome por K-Pop.

Por hoje é só. Kamsahapnida!

tags: yongsam technomart kimchi south korea kakao seoul akitando

Comments

comentários deste blog disponibilizados por Disqus