Um dos artigos mais lidos do meu blog é o Comprei meu primeiro Mac, e agora?. Escrevi em Setembro de 2009. Já atualizei uma vez mas eu sempre achei que precisava atualizar novamente. Veja o artigo inteiro atualizado no link original acima. Mas para quem já havia lido, a seguir está somente o que acrescentei de novo hoje.

Se você tem outras boas dicas como essa, não deixem de comentar para compartilhar com todos. A idéia não é um artigo para desenvolvedores (eu assumo que bons desenvolvedores sabem encontrar seu caminho sozinhos) mas para usuários normais e mesmo Power Users. Outra boa utilidade: seu amigo não-desenvolvedor comprou um Mac e fica te perturbando toda hora “como faz isso? como faz aquilo?”, agora você pode passar o link acima para o artigo inteiro para auxiliá-lo :-)

Aproveitem!

Atualização 11/9: Fiz alguns ajustes (troquei Unicorn por Passenger) e também escrevi outro post com mais dicas.

Atualização 05/06: Depois que escrevi este artigo, encontrei um outro muito bom que recomendo a leitura por ter mais detalhes para complementar. O artigo se chama Heroku isn’t for Idiots

Se você quer lançar uma aplicação Rails rapidamente, não existe melhor solução do que o Heroku. Para quem não conhece, o Heroku é um Paas (Platform as a Service) que roda sobre o Amazon EC2 (que é um IaaS ou Infrastructure as a Service). O Heroku automatiza a criação de uma nova máquina virtual (volátil! isso é importante) e configura todo o ambiente para rodar Ruby.

O Heroku usa uma unidade de máquina virtual chamada “Dyno”, a grosso modo, considere um Dyno como uma máquina virtual “pequena” com 4 cores e até 512Mb de RAM sem swap file e sem suporte a persistência de arquivos (não faça uploads diretamente no diretório public/uploads ou algo assim, sempre configure para mandar para a Amazon S3, aprenda como neste tutorial). Configurar um novo ambiente é simples, o próprio Heroku tem uma boa documentação ensinando como e recomendo ler antes de continuar.

Subir uma única dyno usando um banco de dados compartilhado PostgreSQL é de graça, o que é excelente para testar sua aplicação. Obviamente apenas um único dyno é pouco para qualquer aplicação séria lançada em produção para o público.

O Heroku fornece “stacks” padrão que é o perfil pré-configurado de um dyno para uma determinada plataforma. Para Ruby e Rails a mais atual (na data de publicação deste post) é a Celadon Cedar, a anterior era a Badious Bamboo portanto se encontrar um tutorial qualquer de Heroku por aí, cheque sobre qual stack estamos falando, só use se for para Cedar.

I’ve been a bit late in promoting RubyConf Brazil this year, I apologize for that. I’ve released the Call for Papers website a few days ago but I was only able to post about it today. If you want to come talk at our conference, please submit your talk as soon as possible. Because of these delays, I’ve extended the Call for Papers until April 27th. If you don’t have a complete description of your talk proposal yet, you can submit right now and the website will email you back a unique link that...

Update (26/11): Depois do Blip.tv ter apagado meus vídeos, subi os screencasts novamente no Dropbox e usei JW Player para visualizar. Durante Julho e Agosto de 2010 eu havia acabado de sair da Locaweb e com o tempo livre inicialmente resolvi tentar criar screencasts com qualidade mais “comercial”. Disso surgiu um “piloto” que foi uma palestra que dei na época e 3 tutoriais técnicos. A experiência foi ver se havia viabilidade comercial para screencasts desse tipo. Infelizmente a aceitação na é...