Limpando meu Ambiente de Desenvolvimento - Parte 2 - Homebrew

2010 February 27, 23:08 h - tags: ruby obsolete

Recentemente escrevi um artigo sobre como arrumei meu ambiente Ruby usando RVM. Desta vez quero falar sobre outros aplicativos open source como mysql, postgresql e mais.

Infelizmente, um dos grandes pontos fracos do Mac é a ausência de uma ferramenta oficial e robusta de gerenciamento de pacotes para software open source, algo como o Yum (Fedora, CentOS) ou Apt (Debian, Ubuntu). No mundo Mac temos duas ferramentas mais conhecidas, o Fink e o Macports. O Fink é baseado no Apt e pacotes Deb, é o que tem a maior quantidade de pacotes (mais de 10k), mas na minha experiência ele costuma não ter pacotes atualizados com muita frequência. O Macports é meio semi-oficial e é inspirado no Ports do BSD, tem menos pacotes mas os principais parecem mais atualizados.

O Fink instala seus pacotes normalmente no diretório /sw e o Macports no /opt/local. Uma coisa irritante sobre eles é que, como não são oficiais, eles criam um ambiente completamente separado. E o gerenciamento de dependência deles significa que, por exemplo, se um pacote depende do Python, ele não vai usar o Python já pré-instalado no sistema, mas vai instalar uma nova versão no diretório separado. Na maior parte do tempo eles até funcionam razoavelmente bem, até que alguma coisa começa a falhar e aí é um pesadelo. O Macports é o mais chato porque ele compila tudo a partir do código-fonte, incluindo todas as dependências, incluindo recompilar software que já existe no seu Mac.

No caso do MacPorts, ele compila tudo a partir do código-fonte, incluindo diversas dependências que você já tem instalado no Mac. Portanto ele gasta muito tempo duplicando as coisas. Softwares como ImageMagick e Git demoram bastante tempo para instalar. Para atualizar pacotes então, sempre é uma caixa de surpresas.

Homebrew

Entra o Homebrew, uma nova ferramenta de instalação de software open source. Não é um gerenciador de pacotes, ele basicamente é uma automatização da boa e velha forma de baixar um tar.gz, rodar ./configure; make; make install.

Parecido com o Macports, ele também baixa o código-fonte e compila tudo, porém ele tenta ser mais esperto. Para começar ele não tenta re-instalar coisas que seu Mac já tem, portanto sua gerência de dependências é bem mais simples.

O arquivo README do projeto é completo o suficiente para te guiar, mas vou copiar algumas partes importantes. Para instalar é muito simples. Ele prefere que você use o próprio diretório /use/local que é onde um Unix POSIX espera que você instale. Uma coisa meio controversa é mudar as permissões desse diretório para seu usuário:

1
sudo chown -R `whoami` /usr/local

Se você já tinha instalado o MySQL ou outro software manualmente via um instalador, faça:

1
sudo chown -R mysql:mysql /usr/local/mysql

Agora instale o Homebrew assim:

1
curl -L http://github.com/mxcl/homebrew/tarball/master | tar xz --strip 1 -C /usr/local

Como disse antes, o Homebrew não tem “pacotes”, ele tem “Formulas”, que nada mais são do que simples scripts em Ruby dizendo de onde baixar o código fonte, quais opções de compilação usar e assim por diante.

Como tudo é compilado, garanta que você tem o XCode instalado.

Pronto, agora basta instalar os softwares que quer, por exemplo faça:

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
brew install mysql
brew install git
brew install wget
brew install mongodb
brew install httperf
brew install redis
brew install riak
brew install imagemagick
brew install beanstalk
brew install ctags
brew install ghostscript

Para saber quais fórmulas você já instalou na sua máquina, faça:

1
brew list

Para saber quais fórmular estão disponíveis para instalar, faça:

1
brew search

Uma instalação costuma acontecer mais ou menos assim:

1
2
3
4
5
6
7
8
$ brew install freeimage
==> Downloading http://downloads.sourceforge.net/project/freeimage/Source%20Distribution/3
######################################################################## 100.0%
==> Patching
patching file Makefile.gnu
==> gnumake -f Makefile.gnu
==> gnumake -f Makefile.gnu install PREFIX=/usr/local/Cellar/freeimage/3130
/usr/local/Cellar/freeimage/3130: 3 files, 8.2M, built in 79 seconds

Note o diretório /usr/local/Cellar/freeimage/3130. Toda fórmula vai tentar instalar no diretório /usr/local/Cellar/[seu software]/[versao]. Então ele criará symbolic links em diretórios como /usr/bin, /usr/sbin, /usr/lib e assim por diante para que tudo funcione. Desta forma é fácil instalar uma nova versão em um novo sub-diretório e apenas refazer os symlinks. E isso também torna fácil apagar tudo se você quiser, basta fazer:

1
2
3
4
cd /usr/local
rm -rf Cellar
brew prune
rm -rf Library .git .gitignore bin/brew README.md

Obs: A fórmula do Postgresql tem alguns bugs ainda não resolvidos na versão atual. Uma coisa que funcionou para mim foi editar o arquivo /usr/local/Library/Formulas/postgresql.rb e retirar a linha que tem —with-python, que é o causador dos problemas.

Novas Fórmulas

Diferente do Fink e Macports, o Homebrew não tem mais que algumas dúzias de fórmulas prontas. Para atualizar as definições de fórmulas faça:

1
brew update

As fórmulas costumam ficar em /usr/local/Library/Formulas. Vamos criar uma nova fórmula para um software que ainda não tem uma definição. Normalmente você esbarra num post de blog com alguma instrução para instalar a partir do código fonte, algo no formato:

1
2
3
4
5
6
wget http://.../foo.tar.gz
tar xvfz foo.tar.gz
cd foo
./configure
make
sudo make install

O que você fará é:

1
brew create http://.../foo.tar.gz

Ele criará uma nova fórmula diretamente em /usr/local/Library/Formulas e vai abrir num editor de textos para você continuar a configurar o script. Por exemplo, digamos que queremos uma nova fórmula para instalar o Libiconv. A primeira coisa que vou fazer é baixar o código fonte e gerar o hash MD5 dele:

1
2
3
$ curl -O http://ftp.gnu.org/pub/gnu/libiconv/libiconv-1.13.1.tar.gz
$ md5 libiconv-1.13.1.tar.gz 
MD5 (libiconv-1.13.1.tar.gz) = 7ab33ebd26687c744a37264a330bbe9a

Agora, vamos gerar a Fórmula:

1
brew create http://ftp.gnu.org/pub/gnu/libiconv/libiconv-1.13.1.tar.gz

Ele vai gerar algo assim:

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
require 'formula'

class Libiconv <Formula
  url 'http://ftp.gnu.org/pub/gnu/libiconv/libiconv-1.13.1.tar.gz'
  homepage ''
  md5 ''

# depends_on 'cmake'

  def install
    system "./configure", "--prefix=#{prefix}", "--disable-debug", "--disable-dependency-tracking"
#   system "cmake . #{std_cmake_parameters}"
    system "make install"
  end
end

Agora preenchemos o campo ‘homepage’ com a URL do projeto, o campo ‘md5’ com o hash que geramos mais acima. Se existir outras fórmulas de que este software dependa, declaramos usando depends_on e no método install colocamos a rotina de instalação. O Homebrew já me dá algumas variáveis padrão como o prefix que já me dá o local correto de instalação. Agora, editamos este arquivo para ficar assim:

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
require 'formula'

class Libiconv <Formula
  url 'http://ftp.gnu.org/pub/gnu/libiconv/libiconv-1.13.1.tar.gz'
  homepage 'http://www.gnu.org/software/libiconv/'
  md5 '7ab33ebd26687c744a37264a330bbe9a'

  def install
    system "./configure", "--prefix=#{prefix}"
    system "make"
    system "make install"
  end
end

Pronto, agora você por instalar esse pacote normalmente:

1
brew install libiconv

Mais avançado do que isso, às vezes os softwares não foram preparados para instalar no Mac OS X e talvez seja preciso alterar seus arquivos antes de compilar. Para isso é necessário criar Patches e aplicá-los. Veja fórmulas como o /usr/local/Library/Formulas/xar.rb para entender como aplicar patches.

Leia com atenção o arquivo README e também navegue pelas fórmulas em Library/Formulas para aprender como gerar suas próprias fórmulas. Faça um fork do projeto original no Github e comece a contribuir com novas fórmulas.

Comments

comentários deste blog disponibilizados por Disqus