AkitaOnRails Reloaded

2007 June 03, 13:34 h - tags: obsolete

Meu pobre Blog estava carente de atenção faz meses. Acabei de terminar a primeira etapa de upgrade. Minha idéia é usar meu próprio blog como sandbox para alguns testes. Duas coisas que eu instalei para a Surgeworks semana passada foram o Subversion com suporte a SVK e a configuração de uma aplicação Rails com Capistrano. E resolvi que meu blog poderia ter o mesmo tratamento.

O Subversion nem preciso mencionar: qualquer projeto tem necessidade de ser versionado, não importa seu tamanho. Que seja um HelloWorld ou um Basecamp, todos precisam de controle de código-fonte. Se você ainda não sabe usar, ou assumiu que não precisa, pode mudar de idéia. Existem diversos bons no mercado como o lendário CVS e outros mais de nicho como Mercurial, Darcs. Mas eu recomendo Subversion (SVN), mesmo porque muitos projetos novos do mundo Ruby estão sendo mantidos em SVN.

O SVK é menos conhecido. Se você ainda não conhece SVN será muito difícil começar a entender SVK, e nesse caso sugiro pular este tópico e aprender SVN primeiro. Quem conhece SVN por outro lado deve entender a seguinte situação: digamos que no seu diretório ‘vendor/plugins’ se instale alguns plugins. Por enquanto tudo bem. Se sua intenção não é mexer lá, basta dar update de vez em quando e rodar os testes unitários para garantir que nada quebrou. Se quebrar, você força o update de volta à revision anterior. O problema: você precisa manter um controle da revision estável (caso esteja baixando do trunk remoto) e caso queira modificar o plugin, não vai poder dar commit de volta.

Minha idéia com o SVK: criar um mirror local do projeto remoto. Dessa forma eu poderia sincronizar com o trunk remoto, me dando todas as novas funcionalidades e correções e ainda poderia desenvolver sobre esse projeto, realizando commits locais e ganhando toda a proteção de um SVN local. Sem mais delongas, eis o que eu fiz:

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
# Criando o repositório local
svk mkdir //repositories -m Creating Initial SVK Repository

# Criando um mirror do Typo no repositório local
svk mirror http://svn.typosphere.org/typo/trunk/ //repositories/typo

# Sincronizando apenas a partir da revisão 1466 (a mais recente)
# Isso porque na revisão 172 ele às vezes trava
svk sync -s 1466 //repositories/typo

# Criando o projeto no Subversion local
svn mkdir https://[servidor]/akitaonrails/typo -m ““

# Criando o mirror
svn mkdir https://[servidor]/akitaonrails/typo/mirror -m ““

# Criando um mirror local também do projeto no Subversion local
svn mirror https://[servidor]/akitaonrails/typo //repositories/typodev

# Sincronizando do Subversion local
svk sync //repositories/typodev

# Realizando um merge inicial entre os dois repositórios locais
svk smerge --baseless -m “Initial mirror sync“ //repositories/typo //repositories/typodev/mirror

# Cria uma cópia do mirror em um branch de desenvolvimento
svn cp https://[servidor]/akitaonrails/typo/mirror https://[servidor]/akitaonrails/typo/trunk -m "Inicial copy"

Isto cria a base das sincronzições. A partir daqui, eu devo fazer checkout do repositório http://[servidor]/akitaonrails/typo/trunk. Updates e commits vão todos lá também.

Agora digamos que o pessoal do Typo tenha criado algo novo ou atualizado a base de código. O que fazer?

1
2
3
4
5
# Este comando agora sincroniza do trunk de ambos os Subversions
svk sync --all

# Com isto podemos checar o que mudou entre os dois trunks:
svk smerge -m “teste de merge“ //repositories/typo //repositories/typodev/mirror

Isto justifica porque só devemos trabalhar no /trunk e nunca no /mirror: para todos os efeitos, o /mirror deve continuar idêntico ao repositório remoto. Agora, basta realizar um merge normal entre dois branches de um mesmo Subversion. A partir do working copy do /trunk fazemos:

1
svn merge -r [last revision]:HEAD https://[servidor]/akitaonrails/typo/mirror

Ponto importante: no smerge —baseless inicial a revisão remota era 1466. No nosso cenário hipotético, o pessoal do Typo criou novas coisas e agora está na revisão 1501, por exemplo, este é o HEAD. Para trazer a partir da revisão 1466, apenas substituímos last_revision_> por 1466 e ele vai trazer as atualizações de lá. Da próxima vez, o last_revision será 1501, e assim por diante. Na dúvida, veja os logs!

Por hoje é o bastante. Se alguém tiver a paciência ou mesmo já tentou este procedimento, não deixe de deixar feedback. É a primeira vez que tento esta estratégia e estou curioso para saber se a idéia realmente se sustenta!

Para os desavisados: eu não quero um vendor checkout. Essa estratégia é a usada atualmente mas não traz os benefícios de um mirror com suporte a merge. Prestem atenção ao conceito antes de dizer “ah, isso é trivial”

A documentação em torno do SVK é muito ruim. Em distros derivados de Debian é muito simples instalar: apt-get install svk. No Mac a coisa é um pouco menos simples: eu sugiro usar o bom e velho MacPorts e rodar sudo port install svk. Em alguns casos, ele vai entrar em loop infinito no passo Configuring svk. Nesse momento você deve dar Ctrl+C para sair. O que ele precisa é o seguinte:

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
# desinstalar o p5-pathtools, provavelmente ele vai reclamar 
# de dependências
sudo port uninstall p5-pathtools -f

# se reclamar, então desinstale as dependências
sudo port uninstall p5-app-cli
sudo port uninstall p5-getopt-long
sudo port uninstall p5-pathtools -f

# limpe o cache
sudo port clean svk
sudo port clean p5-pathtools

# o problema parece ser a configuração do CPAN
# caso o Perl seja recém instalado pelo MacPorts
perl -MCPAN -e shell

# todo mundo sabe configurar o CPAN, então não
# vou detalhar. Depois é só continuar normalmente
sudo port install -f p5-pathtools
sudo port install -f svk

Já no Windows, não tenho nem idéia. Como o SVK é um conjunto de scripts Perl, imagino que funcione. Provavelmente o Subversion binário de Windows já vem instalado com bindings de Perl. Talvez funcione sem grandes problemas.

Da próxima vez, vou detalhar como configurei meu Capistrano para funcionar bem com meu hosting da RailsPlayground.net. Até mais!

Comments

comentários deste blog disponibilizados por Disqus